Notícias e Comentários

11/08/2016 RECLAMES DO PLIN PLIN -ARTIGO DE RAMALHO LEITE

Aquele famoso apresentador de nossa televisão faria melhor o programa sem a sua presença. O cara é chato e só é superado por outro exemplar que elege como heróis alguns casais de desocupados, confinados em uma casa para engorda e, outras “cositas” mais por baixo do edredom. Mas nós, mortais comuns, temos que conviver com a fama deles ou trocar de canal. O programa melhora nos intervalos

  • Lei mais>>

29/07/2016 RAMALHO LEITE ESCREVE: O JOSE AMÉRICO QUE EU LEMBRO

Foi a primeira vez que ouvi falar em José Américo de Almeida, ou Zé Américo, como preferia o povão. Tinha sete anos de idade quando ele aportou na minha vila em campanha para o governo do estado. Meu pai, Arlindo Rodrigues Ramalho, fora candidato a vereador na primeira eleição pós redemocratização do País e era o representante local da União Democrática Nacional. Reuniu muitos amigos, para, de longe, na calçada alta do Grupo Escolar, apreciar a visita do candidato à casa de José Amâncio Ramalh

  • Lei mais>>

22/07/2016 RAMALHO LEITE ESCREVE: DESARMONIA ENTRE PODERES

A nossa primeira constituição republicana, promulgada em 1891, somente com uma emenda de 1926 veio a proclamar a independência e harmonia entre os poderes, inclusive, a sua restauração, como motivo de intervenção federal nos estados membros. Todavia, a desarmonia prevaleceu mais tempo que a harmonia preconizada pela Lei Maior. As rusgas, as idiossincrasias entre titulares de cada um dos poderes ou entre seus colegiados e o Executivo, foram registradas ao longo da história republicana. Os motivos

  • Lei mais>>

15/07/2016 RAMALHO LEITE ESCREVE: UM CONVITE DE CASAMENTO

CONVITE DE 1902

Rebuscando os papeis que meu pai guardava em uma pasta, adicionada com peças que minha mãe achava que mereciam arquivo, encontrei um atencioso convite que fora enviado para o meu avô, tenente José Rodrigues da Costa Neto, senhor do engenho Poço Escuro, pelo coronel da Guarda Nacional e comendador da Ordem da Rosa, Felinto Florentino da Rocha. A missiva estava assim redigida:” Bananeiras, 20 de novembro de 1902: Illmo.Snr. Tendo de effetuar-se o casamento de minha filha Maria Engrácia da Rocha Fe

  • Lei mais>>