Detalhamento de RAMALHO LEITE ESCREVE:VIGE COMO TEM JOÃO

RAMALHO LEITE

VIGE COMO TEM JOÃO!

O imortal Jackson do Pandeiro gravou e fez sucesso com uma música onde proclama: “Vige com tem Zé/ Zè de baixo, Zé de riba/Tesconjuro com tanto Zé/Como tem Zé lá na Paraíba”. Mais adiante, acrescenta: “só de Zé tem uns cem na Prefeitura”. Na “prefeitura” do genial alagoa-grandense pode ter muito Zé, mas passando pelo Governo da Paraíba os Zé foram poucos. No Império, Zé Tomás Nabuco (1831); na Regência, Zé Luiz Lopes Bastos(1834/35);No Segundo Reinado, Zé da Costa Machado(1844) e Zé Vicente de Amorim, além do mais famoso, Zé Teixeira de Vasconcelos, o Barão de Maraú(1867/68). Na República, Zé Gomes, Zé Mariz, Zé Américo, Zé Fernandes e Zé Maranhão. Mas quando se trata de João, homônimo do nosso governante recentemente eleito, a safra é enorme. João Azevedo Lins Filho é o sétimo João da era republicana, como veremos adiante. Fosse vivo, o nosso Jackson modificaria sua letra e diria: Vige como tem João, lá na Paraíba.

Quando ainda éramos uma Capitania, a Parahyba foi governada por Capitães Mores. Desde sua fundação, passando pelo período de domínio holandês e pela incorporação à Capitania de Pernambuco, fomos governados por nove joãos:João Tavares (1586/88), João Barros Correia (1605/07), João Rabelo de Lira (1612/16), João de Brito Correia(1620/23),João Fernandes Vieira (1655/57),João do Rego Barros(1663/70), João da Maia Gama (1708/17),João de Morais Valcassar (1719/1720),João de Abreu Castelo Branco(1722/29).

No Império, os governadores com prenome João, nomeados por Pedro I foram os seguintes: João de Araújo Cruz, JoãoMarinho Falcão e João Bandeira Cordeiro, indicados cada um por duas vezes para o cargo. A seguir assumiram o comando da Província da Parahyba os seguintes delegados imperiais: João de Albuquerque Maranhão, João Gomes de Almeida e João Ribeiro de Vasconcelos Pessoa. Durante a Regência, apenas um João foi nomeado: João de Moura Magalhães (1838/39).

No Segundo Reinado, a caneta de Pedro II referendou os nomes de João de Albuquerque Moreira (1848), João Antônio de Vasconcelos (1848/50), João Capistrano Bandeira de Melo (1853/54), João José Inocêncio Pagi (1866) e João da Mata Correia Lima (1877).

Proclamada a República, o nosso primeiro João fundou uma oligarquia que só seria derrubada em 1915, com a vitória de Epitácio Pessoa e fundação de sua própria oligarquia. Trata-se de João Lopes Machado, (1908/12) ocupante da cadeira de governador mais de uma vez. Adorava ser senador e morar no Rio e, enquanto permanecia distante da província, mantinha um seu preposto guardando o posto governamental. Em seguida surgiria João de Castro Pinto (1912/15) que, com sua renúncia, abriu vaga para o primeiro Pessoa, o cel. Antônio da Silva Pessoa. João Suassuna (1924/28) assume após Solon de Lucena e tem um trágico fim, acusado injustamente de participação na morte do seu antecessor, outroJoão, este Pessoa Cavalcanti de Albuquerque (1928/30). Com a convocação de José Américo para o ministério de Getúlio Vargas, assume o seu vice, João Fernandes de Lima (1951/54). Dez anos depois, chega a vez de João Agripino Filho, (1966/70)  eleito no último pleito direto permitido pelos militares pós 64.

Teríamos que esperar mais trinta anos para assistir à ascensão de outro joão ao governo da Paraíba: João de Azevedo Lins Filho, professor, engenheiro e servidor público desde estagiário na prefeitura de João Pessoa. Fez nome na construção de obras e execução de serviços essenciais aos objetivos de administrações municipais e estaduais. Como destacado membro de uma equipe de governo comandada por Ricardo Coutinho, foi escolhido para ser submetido ao referendo popular e passar a conduzir a partir de 2019, o projeto da Nova Paraíba, nascido em 2011 e que merecia ter continuidade. O povo paraibano confiou nessa proposta e sacramentou seu nome, com uma votação jamais registrada. Para quem o apontava como um desconhecido, fora dos quadros políticos e sem experiência de mandatos eletivos, fadado ao fracasso eleitoral, refaça seu juízo: seu nome é JOÃO. ( Fossemos relacionar os ocupantes provisórios da cadeira de governador, lembraríamos  entre os zés, Soares Madruga e Lacerda Neto e entre os joãos, o deputado João Fernandes da Silva). 

 

 

COMENTE





Mais

10/06/2018 RAMALHO LEITE ESCREVE: SEXTA-FEIRA 13

Sem dúvida que, deixar de sair de casa na sexta-feira, 13, é uma superstição arraigada de há muito na mente dos brasileiros. Tivéssemos herdado de Portugal, como outras mazelas que nos afligem, estaríamos a festejar a data. Até sendo uma sexta-feira de agosto, quando entre nós se afere um azar redobrado. Na terra de Cabral muitas cidades e vilas festejam a sexta-feira,13. A maior festividade se registra no castelo de Montalegre, em Trás-os-Montes, segundo busquei em rápida navegação pela interne


23/03/2018 RAMALHO LEITE ESCREVE: O INCÔMODO VOTO DE MINERVA

Muito se fala nos colegiados, do Voto de Minerva. Trata-se do voto de desempate, voto de qualidade, prerrogativa do presidente do coletivo. Sua origem remonta à mitologia Grécia, como quase tudo neste mundo. Atena, conhecida como Minerva, teria sido chamada ao julgamento de Orestes, responsável pela morte da própria mãe e de seu amante, para vingar a morte do pai. A pena para o matricídio era a morte, executada pelas Eríneas, seres infernais que torturavam as almas pecadoras segundo nos conta a


07/04/2017 RAMALHO LEITE ESCREVE: OS JOVENS TURCOS

A queda do Império Otomano e a fundação da república turca teve como líder Mustafá Kemal Ataruk, militar graduado, revolucionário e primeiro presidente da Turquia. Antes, porém, ganhou renome com sua atuação na primeira guerra mundial. Lutou ao lado dos alemães e foi derrotado pelas forças aliadas. A partir de então, passou a liderar a Guerra da Independência Turca que culminou com a proclamação da república em substituição ao Império Otomano. Na sua juventude, por volta de 1907, promovido a cap


02/09/2016 O COLEGIO DAS DOROTEIS, ESCREVE RAMALHO LEITE

Neste ano da graça de 2016 a Congregação das Doroteias está completando 150 anos de sua chegada ao Brasil. No mesmo ano de 1866 era aberta também a Casa de Portugal. Na nossa pátria mãe, as comemorações ocorreram entre março e abril do corrente. Não tomei conhecimento de qualquer evento alusivo à presença marcante dessas educadoras entre nós.De sua atividade em Bananeiras, a partir de 1917, restam o túmulo mandado construir pelas ex-alunas e o antigo prédio do colégio, que voltou ao patrimônio d


26/08/2016 QUEM FOI O BARÃO DE RAMALHO: escreve RAMALHO LEITE

Vim descobrir recentemente por que a família da minha esposa fazia restrições ao seu casamento comigo. Para casar, tive que roubar a moça. O coronel Camporra, irmão do Barão de Araruna era seu trisavô. Com essa ascendência nobre, como permitir a união com o filho de um plebeu, cujo mais ilustre membro familiar era tenente da Guarda Nacional? Mas a história abre caminhos e a genealogia nos leva a conhecer o passado. Em busca desses ancestrais encontrei Joaquim Inácio Ramalho, Barão de Ramalho, um


19/08/2016 UM DISCURSO DE SILVA MARIZ, ARTIGO DE RAMALHO LEITE

crise hídrica do nordeste tem os seus olhos voltados para a transposição de águas do Velho Chico destinadas aos estados que não possuem rios perenes. Entre nós, o volume de Boqueirão chegou ao seu nível histórico mais baixo. Há uma corrida em evidência para ver quem chega primeiro: o inverno ou as águas do São Francisco. E dá para Campina e seu entorno esperarem? Não sou técnico no assunto mas acompanho sua evolução. Causa admiração que esse problema secular não tenha ainda uma solução definiti


26/02/2016 O VORONOFF BRASILEIRO SURGIU EM BANANEIRAS

O epíteto de “Vornoff Brasileiro” foi dado ao major José Fábio da Costa Lira, farmacêutico em Bananeiras mas nascido em Umbuzeiro, onde foi prefeito municipal. O jornal “A Noite”, do Rio de Janeiro, em edição de 11 de agosto de 1936, na primeira página, revela a existência, “no interior da Parahyba, do autor de um processo a que se atribuem curas assombrosas”. Doentes com tuberculose, câncer, lepra e diabetes eram objeto de tentativas de curas pelo método que denominou “lymphotherapia” e que con


13/11/2015 RAMALHO LEITE ESCREVE: BOA VISTA, CAMUCÁ, BORBOREMA (2)

Boa Vista foi a denominação dada pelo bacharel José Amâncio Ramalho às terras que comprou ao capitão João da Mata. O rio Canafístula circundava o aglomerado, e quando foi barrado, inundou imensa área pertencente a vários proprietários. Antonio Nogueira Campos, outro pioneiro, ficaria com seu engenho ilhado do outro lado do rio, com grande porção de terras cobertas pelas águas do açude. Nas cheias invernosas, o engenho de seu Tota só era alcançado por rudes embarcações. Em escritura lavrada em


05/03/2015 RAMALHO LEITE ESCREVE O CHAPÉU DE AUGUSTO

Ao entrar na Galeria Augusto dos Anjos deparei-me com uma faixa já desgastada que cobra: “Onde está Augusto dos Anjos?” A referência transporta os transeuntes a um busto muito mal esculpido do Poeta do EU, que, misteriosamente, desapareceu, restando, apenas, o pedestal. Na Academia Paraibana de Letras, porém, a gestão do presidente Damião Ramos incorporou ao Jardim de Academus uma estátua em corpo inteiro do nosso poeta maior. A estátua, sem chapeu, motivou reclamação do poeta Luiz Nunes, usuár


09/11/2014 RAMALHO LEITE ESCREVE:VAMOS VOLTAR À DEGOLA?

A Paraíba de Gama e Melo não se submeteu à vontade presidencial. O Presidente Campos Sales valeu-se da Comissão de Verificação de Poderes para anular as eleições federais ocorridas no Estado. O motivo? O nome por ele indicado para governar a Paraíba não foi aceito. A rebelião de Gama e Melo resultou na degola da bancada eleita, com a posse dos derrotados. Era o ano de 1900.


20/09/2014 RAMALHO LEITE ESCREVE; O SUPREMO CHEGOU DEPOIS

A polêmica nacional gerada pela decisão do Supremo Tribunal Federal reconhecendo a relação homo afetiva como união estável, gerando, portanto, direitos civis aos parceiros, chegou à Paraíba antes do Supremo. Devo dizer que o Rio Grande do Sul, por decisão judicial, já determinara ao INSS o reconhecimento de pensão ao primeiro homem que, comprovadamente, viveu longos anos em companhia de outro, partilhando angústias, alegrias e também afetos. É gaucho, portanto, o primeiro beneficiário de pensã


28/06/2014 RAMALHO LEITE ESCREVE: A NOTICIA QUE FALTOU

A Paraíba possui um tesouro guardado em uma das dependências desta Casa. Trata-se do arquivo do jornal A União, registro de mais de cem anos da história do nosso Estado, do Brasil e do Mundo.Sonho com a execução de um projeto que viabilize a disponibilidade de todo esse acervo na rede mundial de computadores.Enquanto o acesso está limitado aos pesquisadores, vez por outra mergulho nessas folhas já encardidas pelo tempo e com o uso de mascara e luvas,faço minha expedição ao passado.


14/03/2014 RAMALHO LEITE ESCREVE: J.A- JÁ

Aquela campanha de 1965 foi a última permitida pelo regime de 64 aos partidos nascidos na redemocratização do País e que tomaram assento na Constituinte de 1946. João Agripino estava lá para exercer o seu primeiro mandato de deputado federal, ao lado de Ernani Satyro,Argemiro de Figueiredo,Fernando Nóbrega, Janduí Carneiro,João Úrsulo Ribeiro,José Joffily, Osmar de Aquino,Plinio Lemos e Samuel Duarte que se somaram aos dois senadores naquele Congresso com 42 senadores e 286 deputados. Dezenove


17/02/2014 RAMALHO LEITE ESCREVE: OS ALEMÃES NO BREJO

Guardei desde menino a imagem daquele galego grandalhão que morava num quarto externo da casa dos meus pais em Borborema. Conhecido como “seu” Guilherme, ainda hoje não conheço o seu nome familiar. Chegou à Vila de Camucá em uma madrugada de chuva.Temendo pela própria vida pediu abrigo e proteção ao dr. Jose Amancio Ramalho, então chefe político da localidade. Fugia da Vila de Moreno, distrito do mesmo município de Bananeiras, onde todo o seu patrimônio fora devorado pelo fogo. Os brejeiros vir


06/07/2013 RAMALHO LEITE ESCREVE; QUEM PAGA A LANTERNA?

A palavra da moda é mobilidade urbana. Antes se falava em fluxo de veículos, dificuldades de acesso, problemas de deslocamento. Tudo isso virou uma palavra chave:mobilidade. A construção de um sistema viário que evite a paralisação do trânsito com desperdício de tempo e combustível, além de não acabar com os nervos do motorista, se enfeixam no contexto de mobilidade. Esse é o grande desafio das cidades, em qualquer parte do mundo, talvez não em Cuba, ainda usando os poucos veículos produzidos



1 de 15 de 145 registros Clique para avançar