Detalhamento de RAMALHO LEITE ESCREVE:VIGE COMO TEM JOÃO

RAMALHO LEITE

VIGE COMO TEM JOÃO!

O imortal Jackson do Pandeiro gravou e fez sucesso com uma música onde proclama: “Vige com tem Zé/ Zè de baixo, Zé de riba/Tesconjuro com tanto Zé/Como tem Zé lá na Paraíba”. Mais adiante, acrescenta: “só de Zé tem uns cem na Prefeitura”. Na “prefeitura” do genial alagoa-grandense pode ter muito Zé, mas passando pelo Governo da Paraíba os Zé foram poucos. No Império, Zé Tomás Nabuco (1831); na Regência, Zé Luiz Lopes Bastos(1834/35);No Segundo Reinado, Zé da Costa Machado(1844) e Zé Vicente de Amorim, além do mais famoso, Zé Teixeira de Vasconcelos, o Barão de Maraú(1867/68). Na República, Zé Gomes, Zé Mariz, Zé Américo, Zé Fernandes e Zé Maranhão. Mas quando se trata de João, homônimo do nosso governante recentemente eleito, a safra é enorme. João Azevedo Lins Filho é o sétimo João da era republicana, como veremos adiante. Fosse vivo, o nosso Jackson modificaria sua letra e diria: Vige como tem João, lá na Paraíba.

Quando ainda éramos uma Capitania, a Parahyba foi governada por Capitães Mores. Desde sua fundação, passando pelo período de domínio holandês e pela incorporação à Capitania de Pernambuco, fomos governados por nove joãos:João Tavares (1586/88), João Barros Correia (1605/07), João Rabelo de Lira (1612/16), João de Brito Correia(1620/23),João Fernandes Vieira (1655/57),João do Rego Barros(1663/70), João da Maia Gama (1708/17),João de Morais Valcassar (1719/1720),João de Abreu Castelo Branco(1722/29).

No Império, os governadores com prenome João, nomeados por Pedro I foram os seguintes: João de Araújo Cruz, JoãoMarinho Falcão e João Bandeira Cordeiro, indicados cada um por duas vezes para o cargo. A seguir assumiram o comando da Província da Parahyba os seguintes delegados imperiais: João de Albuquerque Maranhão, João Gomes de Almeida e João Ribeiro de Vasconcelos Pessoa. Durante a Regência, apenas um João foi nomeado: João de Moura Magalhães (1838/39).

No Segundo Reinado, a caneta de Pedro II referendou os nomes de João de Albuquerque Moreira (1848), João Antônio de Vasconcelos (1848/50), João Capistrano Bandeira de Melo (1853/54), João José Inocêncio Pagi (1866) e João da Mata Correia Lima (1877).

Proclamada a República, o nosso primeiro João fundou uma oligarquia que só seria derrubada em 1915, com a vitória de Epitácio Pessoa e fundação de sua própria oligarquia. Trata-se de João Lopes Machado, (1908/12) ocupante da cadeira de governador mais de uma vez. Adorava ser senador e morar no Rio e, enquanto permanecia distante da província, mantinha um seu preposto guardando o posto governamental. Em seguida surgiria João de Castro Pinto (1912/15) que, com sua renúncia, abriu vaga para o primeiro Pessoa, o cel. Antônio da Silva Pessoa. João Suassuna (1924/28) assume após Solon de Lucena e tem um trágico fim, acusado injustamente de participação na morte do seu antecessor, outroJoão, este Pessoa Cavalcanti de Albuquerque (1928/30). Com a convocação de José Américo para o ministério de Getúlio Vargas, assume o seu vice, João Fernandes de Lima (1951/54). Dez anos depois, chega a vez de João Agripino Filho, (1966/70)  eleito no último pleito direto permitido pelos militares pós 64.

Teríamos que esperar mais trinta anos para assistir à ascensão de outro joão ao governo da Paraíba: João de Azevedo Lins Filho, professor, engenheiro e servidor público desde estagiário na prefeitura de João Pessoa. Fez nome na construção de obras e execução de serviços essenciais aos objetivos de administrações municipais e estaduais. Como destacado membro de uma equipe de governo comandada por Ricardo Coutinho, foi escolhido para ser submetido ao referendo popular e passar a conduzir a partir de 2019, o projeto da Nova Paraíba, nascido em 2011 e que merecia ter continuidade. O povo paraibano confiou nessa proposta e sacramentou seu nome, com uma votação jamais registrada. Para quem o apontava como um desconhecido, fora dos quadros políticos e sem experiência de mandatos eletivos, fadado ao fracasso eleitoral, refaça seu juízo: seu nome é JOÃO. ( Fossemos relacionar os ocupantes provisórios da cadeira de governador, lembraríamos  entre os zés, Soares Madruga e Lacerda Neto e entre os joãos, o deputado João Fernandes da Silva). 

 

 

COMENTE





Mais

14/06/2013 RAMALHO LEITE ESCREVE: CIDADE DESCALÇADA

A campanha tem a marca do multimídia Abelardo Jurema mas todo dia ganha novos adeptos. Impossível deixar de aderir a um movimento que visa comover o Poder Público e a iniciativa privada para dotar seus imóveis de calçadas bem conservadas.Exigir, de logo, condições de acessibilidade aos portadores de necessidades especiais, seria pedir demais.Por enquanto, bastaria que as calçadas não oferecessem riscos aos pedestres e cadeirantes que por elas trafegam.Mas os registros de incidentes se sucedem,


06/04/2013 RAMALHO LEITE ESCREVE:ANTONIO, SÓ NO PAPEL

Não sei por que botaram Antonio no seu nome.Se foi promessa ao Santo, cuja mãe era devota ou homenagem ao Tenente de Trinta, que o pai admirava. Conciliados, batizaram-no de Antonio Juarez Farias, na pia da Igreja de Cabaceiras. O Antonio só durou enquanto foi “Toinho”, operador da única máquina de escrever do Cartório local.Quando ascendeu a escrevente de cartório em Campina Grande, nasceu o Juarez que ganharia o mundo e se tornaria um exemplar servidor publico do Brasil e da Paraíba.


02/03/2013 RAMALHO LEITE ESCREVE;QUEM MATOU O GENERAL?

Aproveitei o feriadão para ler a alentada pesquisa de Glauce Burity sobre a vida e obra de Antenor Navarro e os acontecimentos ao seu redor que culminaram com a revolução de outubro de 1930. Encantei-me com o trabalho e com o biografado, esse extraordinário paraibano desaparecido aos 33 anos,quando Interventor da Paraíba,vítima da queda de um avião em que também viajava José Américo (“ o mar me engoliu, o mar me vomitou”).


04/02/2013 RAMALHO LEITE ESCREVE A UNIAO HA CEM ANOS

Passando por Ponta de Mato, praia urbana de Cabedelo, foi difícil imaginar como era no passado, exatamente há cem anos. Voltar de lá, deveria ser uma viagem atribulada, razão pela qual A União noticiou em uma de suas colunas: “Já regressou de Ponta do Matto, onde veraneava com a família, o nosso distincto collega desembargador Heráclito Cavalcanti (10.03.1911).Não sei se o Desembargador, que também era chefe político do Partido Republicano voltou das suas férias no trem, pois ali se iniciava o p


20/01/2013 RAMALHO LEITE ESCREVE-A ULTIMA CONSPIRACAO

Para quem não sabe - MAG é uma sigla formada pelas iniciais do nome do ex-deputado Manoel Alceu Gaudêncio de tradicional família caririzeira que já deu até senador. Onde hoje foi edificado o shopping,, existia uma ampla residência que somada ao espaço do Hotel Manaíra, deu lugar ao novo empreendimento. A Casa de Manezin, como era conhecida, foi sem duvida o cenário principal da ultima conspiração política que a Paraíba testemunhou.


29/12/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE; DE CORONEL, SÓ O CHAPÉU

O jornalista José Euflávio não me deixava em paz. Toda vez que ia a Bananeiras acompanhando o governador Cássio Cunha Lima, insistia no pedido. Queria por que queria que eu lhe presenteasse um quadro de Ariano Suassuna que pendia meio torto na parede da minha sala. O quadro do Movimento Armorial e pintado a bico de pena me fora ofertado por um gerente de banco, não me lembro qual. Um dia me rendi ao assédio cultural do jornalista e mandei que levasse o quadro antes que Marta notasse a sua ausênc


08/12/2012 RAMA;HO LEITE ESCREVE: A QUEM SERVEM OS PARDAIS

“Pardal- nome genérico dado a pequenos pássaros da família Passeridae, gênero Petronia.Os pardais são aves cosmopolitas e adaptam-se bem a áreas urbanizadas e à convivência com seres humanos”


30/11/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE: UM POVO DE MUITA FÉ

Quando a barragem de Sobradinho foi construida, pela sua gigantesca dimensão, houve quem acreditasse que estava se concretizando a profecia do Padre Cícero Romão Batista: “o sertão vai virar mar”. “ Aquele povo tem muita fé...” disse a ministra de Dilma, desdenhando da ingenuidade de um povo que, mais recentemente, também acreditou em outro profeta, o retirante Lula: ” vai acaba a miséria no nordeste”. Se a primeira predição pretendia se perder na eternidade, a segunda tinha prazo fixo, 2012, q


19/11/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE;A BICA E A SOLUÇÃO DE BALDUINO

Quando Dorgival Terceiro Neto era prefeito desta cidade das mangueiras e das acácias, resolveu restaurar o Parque Arruda Câmara (Bica), e, para a tarefa, contratou a experiência e a inteligência de Balduino Lelys, de quem nunca mais tive noticia.


12/11/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE: A SECA E A FALTA DE LEITE

Nascido e criado no brejo, tinha noticia da seca no sertão, quando grupos de homens, mulheres e crianças, maltrapilhas e famintas, chegavam dia de feira em busca de alimento, tangidos pela inclemência da estiagem. Esse cenário remoto pode ser revisitado hoje, apenas nas paginas de A Bagaceira, com as tintas da tragédia pintada por Jose Américo de Almeida. As invasões às cidades e os saques às feiras livres e ao comercio foram contidas pela politica social do Governo Federal, que, se não resolv


05/09/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE: INSTANTES DE AMIZADE

Dificilmente quem ocupa cargos públicos, sejam eles eletivos ou não, consegue sustentar as amizades feitas no exercício da função, quando dela se despede. Há ao redor dos detentores de mandatos, principalmente, uma leva de” amigos” que desaparecem tão logo acaba a influencia do integrante do poder. Para esses áulicos e viciados das rodas palacianas, há muitos epítetos, alguns deles impublicáveis. João Agripino, de um humor meio cáustico e irreverente, confessou em hora de descontração:


03/08/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE; ONTEM,COM HOJE...

O Banco do Nordeste tinha na sua diretoria dois paraibanos:Pedro Gondim e Paulo Gadelha. Ambos se esforçaram para oferecer crédito à Paraíba visando o saneamento de suas finanças.O governador Tarcisio Burity vinha pagando aos servidores graças aos famosos saques por antecipação de receita, de curto prazo e juros escorchantes. Um empréstimo âncora pagaria os débitos espalhados por bancos privados e concederia ao BNB o titulo de principal credor do Estado da Paraíba.O erário ganharia prazo de car


28/03/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE: PREFIRO AS TRAÇAS

Na ultima reunião da Associação Brasileira de Imprensas Oficiais-ABIO, em São Paulo, foram apresentadas algumas experiências de jornais oficiais, editados eletronicamente e disponibilizados na rede mundial de computadores. Ninguém pode fugir ao avanço da tecnologia. Na imprensa oficial da Paraíba, foi adotado um sistema misto: o Diário Oficial é impresso mas existe a edição eletrônica, enviada aos assinantes.


14/02/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE:SÍMBOLO DE NOVOS TEMPOS

Acompanhei a prefeita de Bananeiras ontem à solenidade de entrega de ônibus escolares aos municípios paraibanos e pude sentir sua extremada alegria com o benefício. Não que o seu problema estivesse resolvido.Um pequeno ônibus não atenderia à demanda de quem coloca, diariamente, cerca de dois mil e quinhentos alunos nas salas de aulas, vindo da zona rural. A alegria era motivada pela chegada de um novo tempo.


04/01/2012 RAMALHO LEITE ESCREVE: RETROSPECTIVA- UM JORNAL PLURAL

Chegamos ao final deste ano com muito a comemorar. A União- Jornal, Diário Oficial,Gráfica e Editora vive uma nova fase. O jornal, nosso principal produto, aos poucos vai deixando de ser um noticioso exclusivo do Governo para se tornar veículo do Estado. E em assim sendo, divulga fatos relacionados aos atos de gestão como o fazem os demais periódicos, todavia, reservando espaço ao contraditório, ao publicar, também, o pensamento oposicionista. Somos hoje um “ jornal plural” , para aproveita



Clique para Voltar 16 de 30 de 145 registros Clique para avançar